Em busca do bom, bonito e barato!

Estado Líquido – Largo de Santos

Se os restaurantes de sushi (perdão… japoneses) parecem cogumelos a nascer da terra, este já é um clássico que anima os paladares lisboetas há vários anos com as iguarias orientais à base de peixe cru. O Estado Líquido propõe 2!! restaurantes japoneses no mesmo edifício, o Fusion Sushi e o Sushi Lounge. Este fiel escriba experimentou ambos para ditar a sua sentença com pleno conhecimento de causa. Para quem não gosta de peixe ou para o clássico jantar de aniversário na pizzaria (ou mesmo o jantar de Natal empresarial) o Estado Líquido propõe mais uma alternativa, portanto o terceiro!!! restaurante, a Forneria especializada nas pizzas confecionadas em forno de lenha.

Voltando ao sushi, e começando pelo rés do chão, temos o Fusion Sushi. A sala é muito bonita, jogando com os tons brancos das mesas e paredes, e os tons pretos das cadeiras e serviço de mesa. Vários apontamentos de design, chão em vidro e iluminação adequada completam (e bem) o conjunto. Como o nome indica, Fusion Sushi, no menu temos várias propostas de fusão entre sabores do Oriente e paladares do Ocidente, por exemplo:
Tempura de bacalhau
Espetada de Ovo de Codorniz Enrolado em Salmão
Sushi Envolvido em Salmão com Foie Gras Fresco Salteado e Geleia de Gengibre
etc, etc…

Nada a assinalar relativamente à qualidade do sushi, impecavelmente apresentado e confecionado. Algumas das fusões resultam melhor do que outras, mas o resultado é sempre original. O atendimento é simpático e eficiente, mas no melhor pano cai a nódoa e foi desagradável que antes da hora de encerramento (uns 10 minutos) tivéssemos sido convidados a efetuar o pagamento, e infelizmente os cafés já foram servidos em modo “vamos a despachar”… é necessário adaptar o horário de trabalho dos funcionários ao horário do estabelecimento, contemplando o tempo necessário para o correto serviço ao cliente até à hora de fecho, e as operações de fecho de caixa e preparação da loja para o dia seguinte. Fica a nota.

GyosasNa semana seguinte mais uma visita ao mundo Estado Liquido, subimos as escadas até ao primeiro piso e entrámos no Sushi Lounge (o senhor num balcão logo em frente à entrada é o DJ, não lhe perguntem pela vossa mesa….). Este restaurante tem um carácter completamente diferente do Fusion, muito mais intimista, pequeno, à meia luz com tons escuros e vermelhos, velas e música chillout. Está dividido em duas zonas, uma zona “japonesa” com mesinhas baixas e puffs e outra zona com mesas mais altas, sofás e bancos. E ainda temos o balcão, onde podemos apreciar a comida observando o sushiman em acção. Optámos pelos confortáveis sofás. O menu é muito mais tradicional, sushi e sashimi clássicos são reis. A escolha recaiu sobre a minha entrada japonesa favorita, as Gyosas, e o típico combinado Sushi to Sashimi. O chá verde é a única opção viável em termos económicos… como no Fusion a apresentação e qualidade é simplesmente impecável. Impecável também foi o atendimento, simpático e eficiente, e sem o stress de fecho da semana anterior, de referir também que o Lounge está aberto diariamente todos os dias até às 02h00.

Portanto, ambos os ambientes são bons e a comida de qualidade. Encontrámos o restaurante japonês perfeito em Lisboa? Infelizmente não. Existe um pequeno (grande) problema, o preço. Qualquer um dos dois restaurantes são caros, muito caros. O preço médio por pessoa ronda facilmente os 30 euros. Com um bom vinho, e mais umas entradas um jantar para dois ultrapassará alegremente os 100 euros. Não deixa de ser uma aposta segura, mas será que se justifica este preço? Como disse um grande amigo meu, afinal estamos a falar de peixe cru…

Sushi Fusion Sushi Lounge
Sushi Lounge Sushi Fusion

Custo: 35 euros por pessoa
Comida: Sushi e sashimi de boa qualidade
Atendimento: Eficiente e simpático (mas com um incidente)

Mapa



Deixar uma resposta