Etiqueta: pica-pau

Adega do Atum – Campo das Cebolas

caracoisEste é um velho conhecido de há muitos e longos anos. Em pleno campo de cebolas, paredes meias com a casa dos bicos (agora fundação José Saramago), é uma tasca portuguesa com os típicos petiscos e menu de comida portuguesa tradicional a piscar o olho aos turistas que por ali passam: grilled sardines, o steak and chips, roasted chourizo e similares…

Na minha opinião, o ponto forte desta casa é a travessa de caracóis na esplanada, ao final de um belo dia de Sol em amena cavaqueira com amigos. Tenho de avisar que não é um restaurante “fácil”, por vezes perde-se um tempo interminável para lá chegar (graças às constantes obras na zona ribeirinha), por vezes é praticamente impossível encontrar estacionamento sem evitar essa praga lisboeta chamada “arrumadores”, já me aconteceu várias vezes já não ter caracóis, ou uma réstia mal amanhada, por vezes vem um cheiro não muito saudável do rio, por vezes os caracóis não estão nada de especial, por vezes passa-se mais tempo a ser incomodado por cravas de dinheiro e tabaco do que propriamente a desfrutar dos ditos cujos.

Mas, naqueles dias em que há um bom alinhamento astral, trata-se simplesmente um final de tarde/início de noite perfeito. o bom tempo lisboeta, a suave brisa refrescante, as belíssimas cores da cidade ao por do Sol, a boa companhia, as imperiais fresquinhas, e é claro uma bela travessa de deliciosos caracóis a completar o ramalhete. Serão os melhores caracóis de Lisboa? Não sabemos, mas que são muito bons, lá isso são.

Custo: 12 euros por pessoa, um pouco acima da média inflacionados pela localização turística
Comida: pratos de comida portuguesa razoáveis, caracóis muito bons (aconselha-se também o pica-pau)
Atendimento: Simpático

Mapa

 

Paixão dos Petiscos – Torres de Lisboa

Mais uma volta, mais um restaurante, as crianças não pagam mas também não vão. Agora mais a sério…. depois da incursão nos petiscos asiáticos, chega a vez dos petiscos portugueses, pela mão do Paixão dos Petiscos, curiosamente também via sugestão no site (pelos vistos o pessoal dos petiscos anda aí em força).

Este restaurante fica na R. Alexander Fleming 9, ali na zona das Laranjeiras para quem não conhece o local  o melhor ponto de referência são as Torres de Lisboa, depois é questão de seguir pela R. Tomás da Fonseca até junto ao viaduto por baixo do Eixo Norte-Sul.  Pela positiva de ser afastado do centro da cidade, o estacionamento é bastante fácil.

O espaço é mais ou menos como a zona, relativamente incaracteristico, não é feio mas também não é propriamente bonito, trata-se daquele género de prédio sem história nem alma em que a única coisa que muda relativamente ao prédio do lado é o número da porta. Tem uma sala perfeitamente banal na zona do balcão, depois uma sala mais à meia luz reservada para grupos gran

ºdes e uma esplanda (o que é óptimo para os fumadores). Digamos que é um espaço familiar que não compromete mas também não envolve.

O verdadeiro ponto de interesse neste restaurante surge quando nos entregam o menú, que é composto por dezenas de petiscos, desdes os mais típicos e castiços aos mais inovadores.  Um conceito inovador especialmente derivado da quantidadade de propostas disponíveis, em contraponto com a “meia dúzia” de petiscos que as tascas à moda antiga dispõem.

Seleccionámos vários petiscos, conforme os nossos gostos e um pouco à sorte. Para acompanhar vinho branco da casa a copo (é mais uma taça…) ao preço imbatível de 0,95 euros. As azeitonas e o pão não podiam faltar enquanto na cozinha tratam dos petiscos, de assinalar que o cesto de pão é uma mistura de pão de qualidade com outras fatias mais comuns, um estratagema dispensável para poupar uns centimos.

A refeição (que nunca seria aconselhada por nenhum nutricionista…) foi então composta por uma salada de polvo, o pica pau e uma dose de batatas fritas, farinheira com ovos e espargos e o queijo assado. Pela positiva temos de destacar exactamente o queijo assado, delicioso e bem servido apenas . A salada de polvo e o pica pau também estavam bons mas não ao mesmo nível. A farinheira com ovos e espargos foi o elo mais fraco, embora também estivesse razoável, merecia um pouco mais de farinheira e espargos e menos ovos. Para finalizar a refeição um semi-frio “Capricho de caramelo” bastante aceitável.

No final, a conta é uma surpresa muito agradável, desde as entradas, aos petiscos, às bebidas e sobremesas todos os items têm um preço muito razoável de maneira que a soma final é obviamente também muito razoável. Um ponto muito positivo nos tempos que correm.

As considerações do costume relativas ao atendimento, que é um pouco atascasdo e atabalhoado mas simpático, aliás de salientar que ficámos bastante para lá da hora de fecho e nunca fomos pressionados para sair.

Em conclusão é uma boa aposta para quem gosta de petiscos, e quer variar da tasca do bairro (ou a tasca do bairro já não existe ou já não vive no bairro), ou petiscar num ambiente menos atascado que a tasca do bairro. Também poderá ser uma boa opção para grupos visto que há petiscos para todos os gostos e feitios, e tem uma relação custo benefício muito boa.

Custo: média de 12.5 euros, vinho a copo e alguns petiscos com preços formidáveis
Comida: bons petiscos
Atendimento:  atascado, mas simpático

Mapa