Etiqueta: Soja

Pho-Pu – Rua do Benformoso

Pho-Pu PhoEste é um restaurante para os bravos do pelotão, desde logo porque está localizado numa zona da cidade que não é a mais recomendada pelos guias turísticos (provavelmente até está na secção Zonas da Cidade a Evitar). Entre o Martim Moniz e o Intendente é praticamente um enclave multi-cultural onde ouvir uma palavra na língua de Camões é uma raridade. Avançamos rua acima que tudo irá correr bem (não oferecemos garantias nem salvo-conduto) e aproveite-se os 200 metros de viagem que passam por Marrocos, Índia, Paquistão, China e outras paragens longínquas mesmo no centro de Lisboa. Uma entrada estranhamente bem cuidada e limpa? Cheiro a manjericão e especiarias? É mesmo aqui o Pho-pu.

Primeira prova superada, a segunda prova é a dificuldade de comunicação com o staff, pois o vietnamita é o primeiro idioma, e o segundo e o terceiro e lá para uma posição muito recôndita vem o português. No entanto, para facilitar o menu é muito básico: composto de 4 ou 5 propostas, o Pho a sopa típica vietnamita (também em versão chinesa), as gyosas (versão massa fresca ou frito), crepe chinês e chamuça. Embora na mentalidade ocidental, trata-se aparentemente de um menu pobre, é na realidade muito rico e tipicamente oriental a especialização num prato, pois permite refinar e melhorar a receita ao pormenor.

Pho-Pu CondimentosRapidamente chega à mesa um prato com rebentos de soja, limão, manjericão. e 2 tacinhas de molho de soja e picante. Calma, muita calma, não se trata de uma oferta da casa, mas sim de condimentos para se misturar a gosto no Pho (a sopa). E eis que chega as gyosas, as chamuças e a sopa fumegante. Misturam-se os condimentos (ou não) na sopa e está pronta a provar, cheira-se, prova-se, e sente-se o festival de sabores, o doce, o amargo, o picante, o salgado, o umami, enfim um mundo numa sopa, simplesmente deliciosa. Para alguns pode ser um pouco avassalador e simplesmente uma confusão de sabores e texturas, mas na verdade esta abundância tem método como uma sinfonia gastronómica.

Alguns podem dizer, uma refeição à base de uma sopinha? Pois, mas não é uma sopinha qualquer, muito bem servida e carregada de ingredientes como noodles, carne e vegetais, come-se tanto de colher como de pauzinhos. Demora tempo, e chegar ao fim não está ao alcance dos mais fracos. Além disso, também vale a pena testar as outras iguarias do menu, as  gyosas frescas e as chamuças são muito boas e cumpriram muito bem.

Pho-Pu ChamuçasCPho-Pu Gyosashegados ao fim desta viagem pelo Sudoeste asiático resta pagar a moderada conta, e agradecer a existência desta pérola em Lisboa (talvez o único restaurante vietnamita em Lisboa). Quando sair, não se queixe da sua sorte de ter de navegar pela Rua do Bemformoso e lembre-se que se o Pho-Pu estivesse localizado numa zona fina da cidade teria acabado de deixar o triplo do dinheiro e provavelmente estaria sempre impraticavelmente cheio.

 

Resumo
Custo: 8 euros por pessoa
Comida: sopa vietnamita deliciosa/sublime, as outras opções boas também
Atendimento: Muito simpático embora por vezes com alguma barreira linguistica

Mapa

Yokohama – Alvalade

Bem vindos ao mundo dos restaurantes japoneses-chineses “tudo o que você consiga comer”. Nunca fomos ao Yokohama antes, mas podemos apostar com bastante segurança que há algum tempo atrás seria um restaurante chinês (provavelmente em decadência). Cheira a chinês, os empregados são chineses e ainda sabe um pouco a chinês.

Desta forma, as expectativas eram relativamente baixas. Somando a anterior experiência num restaurante deste tipo (ali no shopping de Odivelas) razoavelmente má, antecipava-se um desastre. Mas, por vezes compensa arriscar, e foi uma surpresa agradável. O sistema é simples, paga-se um valor (10 euros ao almoço, + 4 pela taxa noturna ao jantar) e enfarda-se o mais que se puder. No entanto, na anterior (má) experiência havia um tapete rolante onde passava a comida mesmo à nossa frente e aqui no Yokohame temos um buffet e 2 cozinheiros que tratam ao vivo dos grelhados numa chapa. Isto tem as desvantagens de uma pessoa ter de se levantar e por vezes gerar-se uma grande confusão na zona do buffet e dos grelhados, mas tem a vantagem de uma pessoa escolher efectivamente o que vai comer.

O Sushi estava bastante aceitável, um ou outro com arroz a mais (para encher) e outros de fruta ali para enganar o estômago, as espetadas de frango e camarão muito boas (comemos umas tantas) e, na nossa opinião, o melhor que são os grelhados na hora, em que a soja, os cogumelos, a carne, salmão ou lulas escolhidos no buffet são preparados à nossa frente. A comida no geral estava bastante boa, e em quantidade, aliás antes de qualquer prato  terminar era diligentemente reforçado.

O atendimento foi o normal para restaurante chinês (perdão japonês), e o preço como é pré-definido, não é nenhuma surpresa e ronda os 17 euros por pessoa já contando com duas bebidas para empurrar. E na nossa opinião compensa se efectivamente estivermos com fome. É uma boa aposta para um jantar informal se não formos demasiados exigentes com todas as especificidades e rituais da comida japonesa e em que haja muita barriga.

Resumo

Custo médio por pessoa: 17 euros
Comida: Quantidade e qualidade qb
Atendimento: Não é o forte

Mapa